Crônicas

Os Franksteins de Minas Gerais

Crônicas, por Blima Bracher: “Dias antes do rompimento da barragem de Fundão, passamos eu e meu pai pelas bandas de Mariana. Chamou-nos atenção na estrada , na altura de Bento Rodrigues, rumo a Ipatinga uma espécie de rio caldaloso e furioso.. Era um fenômeno desconhecido pra nós, sentimos o cheiro forte, e a terra mole, porém revolta , como se tomasse vida e fosse aos poucos acordando com redemoinhos e ondas lamascentas a acompanhar trecho do caminho. Nos questionamos, o que seria aquela criatura que parecia ter vida própria e era vista por traz de árvores, inquietando a paz interiorana de Bento Rodrigues. Duas semanas depois, como todo o Brasill, assistimos estupefatos ao relato do rompimento de Fundão. Era 6 de novembro de 2015.

Aquela criatura indomável, havia se libertado de suas frágeis amarras, e saira furiosa com sede de morte e destruição.  Sepultou Bento Rodrigues e 19 almas , silenciando risadas impregnadas nas tardes do pequeno vilarejo. Matou memórias, promessas de amores em fotos, casas que se ergueram outrora como a esperança concretizada no suor sagrado do trabalho.  E o monstro não se contentou, aindafurioso rumo ao Espírito Santo, mesclando-se ao suave rio Doce e azedando suas águas com metais pesados rumo ao mar. Um rastro de destruição e morte, que se converteu numa das maiores tragédias socioambientais do planeta.                            Hoje, 5 de novembro de 2021, completam seis anos que aquela fera acordou cuspindo rejeitos e os minérios de Fundão. Tal como Frankstein, ela foi criada  e tinha responsáveis.   Hoje, seis anos depois, centenas de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) fazem protesto, em frente à mineradora Samarco, em Mariana, na Região Central de Minas Gerais, desde a madrugada desta sexta-feira .Buscam respostas e justiça Aquele gigante famintos percorreu mais de 80mil quilômetros quadrados entre Minas e Espírito Santo. No total, o rio abrange 230 municípios que utilizam o seu leito como subsistência.                                                         

E Minas Gerais continua sulcada, com pequenos e grandes Fransteins adormecidos.”

Blima Bracher

Blima Bracher é jornalista, formada pela UFMG e Engenheira Civil. Trabalhou doze anos em TV como repórter e apresentadora na Globo e Band Minas. Foi Editora da Revista Encontro e Encontro Gastrô. Escritora, cineasta e cronista premiada.

Posts Recentes

Museu Boulieu traz Moska, Garrido, Cia la Mínima e livro sobre Montaigner

Agenda de agosto Museu Boulieu em Ouro Preto

12 de agosto de 2022

X-Terra Ouro Preto neste fds

http://xterrabrasil.com.brOriginada em 1698, a cidade patrimônio cultural da humanidade, Sede da Inconfidência Mineira, e palco…

11 de agosto de 2022

Agenda de shows no jubileu da Conceição da Lapa, em Ouro Preto

Shows marcam 300 anos da Conceição da Lapa em Ouro Preto

9 de agosto de 2022

Gerdau vai revelar bandas e Ivete Sangalo é embaixadora

Gerdau vai revelar novas bandas

9 de agosto de 2022

“Ai como era grande”: homenagem a Jô Soares

Crônica sobre Viva o Gordo e a morte de Jô Soares

5 de agosto de 2022

Ouro Preto: Matriz da Conceição reabre em novembro

Após 9 anos de restauração deve ser reaberto, em novembro, o Santuário de Nossa Senhora…

5 de agosto de 2022

Thank you for trying AMP!

We have no ad to show to you!