Blima Bracher

Ivo Faria conta segredo do sucesso e aponta os rumos da gastronomia em tempos de crise

O que diferencia os gênios dos simples mortais? A equação é difícil, mas juntar alguns fatores pode dar pistas do porquê, entre tantos, apenas alguns são tocados pela genialidade.

Ivo Faria (foto) é destes que chegam e iluminam o ambiente. Tem o fator número 1: o carisma. Soma-se a isso o talento, a sorte, a determinação, o estudo, a disciplina, a garra e a confiança no próprio taco.

Dono do premiadíssimo Vecchio Sogno, do Buffet Ivo Faria e do La Palma Pizzaria e Restaurante, este gigante mantém nos olhos o mesmo brilho que, há mais de 40 anos, despertou  no menino Ivo a paixão pela culinária. Com vocês Ivo Faria, o Coração de Leão.

BB  –  Qual a sua primeira lembrança de infância relacionada à culinária?

IF  – Tenho uma memória familiar gustativa. Minha avó, por parte de mãe, cozinhava muito bem. Minha tia era banqueteira e minha mãe toda vida teve um tempero muito bom. Agora, seguindo a tradição, minha filha, Nayara, se formou chef e está à frente do meu restaurante La Palma Pizzaria e Restaurante.

BB – Como foi sua formação profissional?

IF  –  Cedo descobri minha vocação para a culinária. Aos 14 anos entrei para o curso técnico de cozinha do Senac. Antes mesmo de concluir os estudos na Escola Técnica, já trabalhava como professor-assistente no Senac onde, anos depois, assumi o cargo de instrutor-chefe, substituindo o professor francês Lucien Iltis.  Ele foi minha principal referência. Na profissão você tem que ter mestres. Eu me espelhava no Lucien o tempo todo. Enquanto os outros alunos corriam dele, pois ele era muito bravo, eu me aproximei dele.

BB – O que fez de você este grande mestre, enquanto tantos ficaram pelo caminho?

IF  –  Quando eu comecei, cozinhar era subemprego e a maioria trabalhava acomodada. Muitas vezes, se satisfaziam com muito pouco e, durante anos e anos na cozinha, se você chegasse a ser um bom chef já estava ótimo. Mas eu não me contentei com isso. Eu pensei: eu vou estudar. Já na década de 70 enxergava a profissão de uma forma diferenciada. Já me preocupava em aprender francês. Fui selecionado para uma bolsa de estudos no exterior, onde a maioria dos candidatos não alcançou o nível técnico. Me formei técnico em nutrição pelo Colégio Pio XXII e também estudei Gastronomia na Escola Hoteleira do Centro Internacional de Glion, na Suíça. Fiz ainda diversos estágios e outros cursos ligados à culinária e á administração de restaurantes.

BB – Quem são seus ídolos na gastronomia?

IF – Tenho vários que admiro: o chef e empresário Sérgio Arno ( La Pasta Gialla); o Alex Atala (D.O.M.); O Murakami (Kinoshita); o Jefferson Rueda (Casa do Porco); e o Claude Troigrois, que tem um trabalho de incentivo bacana.

BB – Como a gastronomia brasileira é vista lá fora?

IF – Eu tenho feito muita coisa fora do Brasil e todas as vezes que você faz você tem público para aulas, para degustação, muitos jornalista e formadores de opinião. Hoje, todo mundo quer conhecer o que um país tão jovem como o Brasil tem a oferecer. Essa tendência mundial da fusão (fusion cuisine) proporciona essa troca e até mesmo os grandes chefs da Europa estão curiosos para ver o que a gente tem a apresentar. Senti isso recentemente no Madrid Fusion.

BB – Qual a grande tendência no momento da gastronomia mundial?

IF – Valorizar o mais simples. No passado havia uma tendência a valorizar só os produtos caros, mas isso hoje é estar indo na contramão da tendência mundial.  Até por causa do aumento da população mundial e da escassez de alimentos. Eu mesmo fiz um jantar no sul da França e na entrada tinha feijão preto, ovo e jiló. O segundo prato era canjiquinha com linguiça e o prato principal era carne de porco. Mas não o porco ibérico, o nosso leitãozinho mesmo.  Em uma aula de 40 minutos para Alain Ducasse e sua equipe, tudo que apresentei foi o de mais simples, nossa cozinha de quintal. E eles ficaram encantados com sabores que nunca tinham provado antes. Ducasse depois fez um discurso dizendo que ali tinha técnica e conhecimento de preparo. A grande sabedoria é conhecer bem e aproveitar nossos produtos brasileiros.

BB – Qual é o segredo para manter a excelência?

IF – Você nunca deixar seus negócios ao Deus dará. Até hoje eu entro na cozinha, discuto, participo e acompanho de perto a minha equipe.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Entrevistas

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
10 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
stela luz

Adoro tudo que voce escrevi, parabéns.
“Queria todas as mulheres em mim” adorei também e conheço algumas. muito legal.

Clayton Sousa

Obrigada, querida Stela Luz. Isso me ajuda a seguir em frente. Muito feliz.

Josesotoriva@hotmail.com

Muito linda a história do chef, mais acredito que Para cada chef de sucesso existem vários cozinheiros que vivem no anonimato, imagino que quem fica na cozinha todos os dias Para manter o restaurante (sucesso do chef) funcionando são os cozinheiros, que vivem em tempos de crise com os salários atrasados e lutando com as dificuldades da vida e muitas vezes sem nenhum reconhecimento, pois só importa o chef. Já trabalhei com vários tipos de pessoas e participei de muitas histórias que permanecem no anonimato mais que se fossem contadas seriam dignas de filme, como da vez que o lavador de pratos perdeu o pai e foi pedir ao chef um dinheiro emprestado e recebeu um lindo não como resposta, e como dinheiro não dá em árvores teve que chorar a morte do pai a distância mesmo. Acho linda as histórias dos grandes chefs, porém existem grandes pessoas que vivem Para cozinhar e que não são reconhecidas falar só da filha quando na verdade existem mais de 20 cozinheiros que queimam a barriga todos os dias por ele e que não são lembrados nunca

Lucas

Bom hoje com 19 anos, trabalho em uma cozinha italiana se algum dia um jornalista me perguntar quem é minha inspiração, vou dizer Ivo faria… e os demais, sou apenas um jovem cozinheiro

Josesotoriva@hotmail.com

Muito linda a história do chef, mais acredito que Para cada chef de sucesso existem vários cozinheiros que vivem no anonimato, imagino que quem fica na cozinha todos os dias Para manter o restaurante (sucesso do chef) funcionando são os cozinheiros, que vivem em tempos de crise com os salários atrasados e lutando com as dificuldades da vida e muitas vezes sem nenhum reconhecimento, pois só importa o chef. Já trabalhei com vários tipos de pessoas e participei de muitas histórias que permanecem no anonimato mais que se fossem contadas seriam dignas de filme, como da vez que o lavador de pratos perdeu o pai e foi pedir ao chef um dinheiro emprestado e recebeu um lindo não como resposta, e como dinheiro não dá em árvores teve que chorar a morte do pai a distância mesmo. Acho linda as histórias dos grandes chefs, porém existem grandes pessoas que vivem Para cozinhar e que não são reconhecidas falar só da filha quando na verdade existem mais de 20 cozinheiros que queimam a barriga todos os dias por ele e que não são lembrados nunca

Lucas

Bom hoje com 19 anos, trabalho em uma cozinha italiana se algum dia um jornalista me perguntar quem é minha inspiração, vou dizer Ivo faria… e os demais, sou apenas um jovem cozinheiro

Josesotoriva@hotmail.com

Muito linda a história do chef, mais acredito que Para cada chef de sucesso existem vários cozinheiros que vivem no anonimato, imagino que quem fica na cozinha todos os dias Para manter o restaurante (sucesso do chef) funcionando são os cozinheiros, que vivem em tempos de crise com os salários atrasados e lutando com as dificuldades da vida e muitas vezes sem nenhum reconhecimento, pois só importa o chef. Já trabalhei com vários tipos de pessoas e participei de muitas histórias que permanecem no anonimato mais que se fossem contadas seriam dignas de filme, como da vez que o lavador de pratos perdeu o pai e foi pedir ao chef um dinheiro emprestado e recebeu um lindo não como resposta, e como dinheiro não dá em árvores teve que chorar a morte do pai a distância mesmo. Acho linda as histórias dos grandes chefs, porém existem grandes pessoas que vivem Para cozinhar e que não são reconhecidas falar só da filha quando na verdade existem mais de 20 cozinheiros que queimam a barriga todos os dias por ele e que não são lembrados nunca

stela luz

Adoro tudo que voce escrevi, parabéns.
“Queria todas as mulheres em mim” adorei também e conheço algumas. muito legal.

Blima Bracher

Obrigada, querida Stela Luz. Isso me ajuda a seguir em frente. Muito feliz.

Josesotoriva@hotmail.com

Muito linda a história do chef, mais acredito que Para cada chef de sucesso existem vários cozinheiros que vivem no anonimato, imagino que quem fica na cozinha todos os dias Para manter o restaurante (sucesso do chef) funcionando são os cozinheiros, que vivem em tempos de crise com os salários atrasados e lutando com as dificuldades da vida e muitas vezes sem nenhum reconhecimento, pois só importa o chef. Já trabalhei com vários tipos de pessoas e participei de muitas histórias que permanecem no anonimato mais que se fossem contadas seriam dignas de filme, como da vez que o lavador de pratos perdeu o pai e foi pedir ao chef um dinheiro emprestado e recebeu um lindo não como resposta, e como dinheiro não dá em árvores teve que chorar a morte do pai a distância mesmo. Acho linda as histórias dos grandes chefs, porém existem grandes pessoas que vivem Para cozinhar e que não são reconhecidas falar só da filha quando na verdade existem mais de 20 cozinheiros que queimam a barriga todos os dias por ele e que não são lembrados nunca