Blima Bracher

Resurrection Dirilis na Netflix: 10 razões para ver

A tribo dos Kayis, da Série "O Grande Guerreiro Otomano/ Dirilis", na Netflix

– A história é baseada em fatos reais. O Bei Ertugrul , nascido em 1198 e falecido em 1281 realmente existiu. Era um dos quatro filhos do Bei Suleyman Xá e de sua esposa Haime Hatun. Sua tribo , a dos turcos Kayis  ficava na região do Irã, mas era constantemente atacada pelos mongóis e perseguida pelos Templários ( cavaleiros cristãos) que tinham sede em Jerusalém. Com as batalhas, os Kayis foram obrigados a se deslocar para Alepo, mais ao norte. O pai de Ertugrul morre na viagem e ele assume como Bei com 29 anos de idade. Bei Ertugrul se apaixona pela sultana Halime, filha do Sultão de Rum, na região da Anatólia e que também era perseguido pelos Templários, que queriam impor o Cristianismo em terras mulçumanas.  A sultana Halime se casa com Ertugrul e passa a se chamar Halime Hatun. Tiveram quatro filhos, entre eles o sucessor de Ertugrul, Osmâ I, considerado o fundador do Império Turco Otomano.

Bei Ertugrul, interpretado por Engin Altan
Ertugrul ( Engin Altan) e Halime Hatun ( Esra Bilgic)

– É muito interessante ver os costumes turcos em sua essência, sem as distorções causadas por extremismos e guerras pelo poder. O Alcorão é lido em algumas cerimônias, livro no qual, Jesus Cristo é um dos apóstolos da paz.

Túmulo de Ertugrul, Halime e de descendentes, em Sogut, na Turquia

– As mulheres mulçumanas eram muito respeitadas, não usavam burcas e se cobriam com vestes lindas e pedrarias abundantes na região.

Figurino incrível
Roupas turcas do século XIII

– A música árabe é maravilhosa, vibrante e comovente. Assim como os rituais, como a dança em torno da fogueira.

https://www.youtube.com/watch?v=PB-J8dS44kw

– É importante para abrir nossa mente ver a história contada pelo ponto de vista dos turcos. Muitas vezes temos uma noção distorcida de sua essência e fazemos um julgamento com olhar ocidental sobre o oriente.- Sair do eixo Europa/América é importante para mudarmos nosso olhar histórico sobre o mundo, religiões, disputas e formação de territórios.

– São lindos os biotipos árabes, seus traços marcantes, sobrancelhas grossas e cabelos negros. São um povo de olhar penetrante e profundo e nos faz rever padrões de beleza ocidentalizados.

A beleza da mulher turca
Um dos guerreiros Turgut, alp da tribo Kayis, o ator Cengiz Çoskun)
O guerreiro (alp) Turgut, interpretado por Cengiz Çoskun)
Can Yaman
Engin Altan como Bei Ertugrul

– A série é extremamente bem feita e bem filmada, com cenas espetaculares de batalhas, com os árabes lutando com suas adagas em duas mãos, mas não existem cenas repugnantes de violência gratuita e fora do contexto.

Detalhes perfeitos

– A câmera alterna movimentos em tempo real com slow motion , ou câmera lenta, dando ênfase a detalhes lindos de cenas que são pura mágica aos olhos.

– A cultura mulçumana é mais pudica, sendo o amor contido em olhares, a sedução discreta, as cenas quentes, não pelo erotismo explícito, mas pelo que fica velado e dito através de pequenos gestos e ações.

– No Brasil temos muitos turcos com nomes abrasileirados- Kairuz ( Queiroz); Kays ; Kassis; Nacif, etc. Isso sem contar que os portugueses , tem sangue árabe, pois a Península Ibérica ( Portugal e Espanha) ficou sob o domínio Turco Otamano por 800 anos. Muitas de nossas palavras são de origem árabe, principalmente as começadas com “al” – algoritmo, alface, alforge, álcool, almofada, etc

Diretor – Metin Günay/ Origem Tuquia/ Cinco temporadas / 448 episódios

Também recomendo Vikings e The Last Kingdom

Símbolo da tribo Kayi
Por Blima Bracher #blimabracher @blimabracher

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários