Blima Bracher

Dirilis Ertugrul, bela série: olhar turco sob o Ocidente

O Bei Ertugrul,, herói do ponto de vista dos mulçumanos

Depois de assistir a “Vikings” e “The Last Kingdom”, confesso que fiquei meio órfã daqueles personagens que me povoavam a mente e me punham pra dormir nesta quarentena sem fim. Cheguei a procurar indicações próximas ao gênero, pois gosto de aprender história através de documentários e filmes.

Pois bem, os dramas de ficção europeias, já sabia, ou de ler , ou de escutar. Começava e parava, com aquela sensação de estar vendo sempre as mesmas coisas.

Qual não foi minha surpresa ao mudar totalmente a ótica do que estava vendo? Agora estava no Oriente Médio, numa tribo de Turcos Otomanos e amando cada um de seus costumes, roupas, amores, constituições familiares, danças, lutas , tendas, gentes, etc.

Pra mim se abriu um mundo novo de possibilidades, ao sair do eixo ocidente europeu e migrar para para o Oriente Médio e seus belos costumes e crenças.

A beleza exótica dos personagens, o cuidado com o figurino, e animais, a forma de filmar, intimista, detalhando momentos em slow motion… Os belos homens alps das tribos, as danças com escudos e espadas curvas em torno da fogueira, tido isso, sem falar da música.

Música árabe é de arrepiar todos os átomos corpóreos.

Tudo é novo e lindo: o ritual de casamento, de despedida dos mortos, a vida é diferente e a inflexão da língua, uma música para os ouvidos.

A construção das frases lembram a origem latinas, sendo palavras como Bei ( Rei) ; Mama( Mamãe); Baba ( Papai), entre outras, tão afáveis e familiares que nos deixam hipnotizados.

O ponto de vista é trocado ( há poucos dias assisti Templários- Knightfall); mas hoje, assistindo a Ressurection, estou com raiva dos Templários e seus métodos esquivos de conquistar as coisas. Jogam sujo, chegam a mandar leprosos para se infiltrarem nas tribos turcas

Impossível ficar impune à beleza do príncipe Engin Altan Düzyatan, no papel de Ertugrul.

Tudo começa com o sequestro de um senhor e seu casal de filhos: um garoto e uma bela moça, que estão em poder dos templários. Ertugrul os salva e leva para a tribo de seu pai, o Bey da tribo Kayi. A jovem salva pelo guerreiro é Halime ( Esra Bilgic) e surge ai uma grande paixão, contida, como é nos costumes mulçumanos.

Tudo começa a esquentar, quando uma série de acontecimentos ligados aos novos hóspedes da tribo os obriga a revelar sua verdadeira identidade.

Em exibição na Netflix -5 temporadas.

Criador Mehmet Bozdag

Diretor : Metin Günay

Gênero: Romance Histórico e aventura Baseado em “O Grande Guerreiro Otamoano”,ou “Dirilis

Haline – Esra Bilgic
Blima Bracher #blimabracher @blimabracher

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.