Crônicas

O dia em que negociamos com bandidos

  • E aí DR?
    ( o que é DR, pergunto ao investigador que nos auxiliava. -É doutora no jargão da pilantragem) Tendi. Vamos bancar a DR, então.
  • Quero um celular, que seja da sua família.
    ( Passamos o do investigador e o hacker não gostou)
  • Fala alguma coisa DR.
  • Aqui sou eu.
    Silêncio

A qualquer hora esperava uma enxurrada de palavrões na tela no celular. Tínhamos armado uma pequena central investigativa num quartinho em Piau, interior de Minas. Larissa filmando e tela do meu celular para receber instruções de um cara do instagram (o investigador) do Rio e me orientar. Isso com a mão direita, pois com a esquerda .segurávamos os carregadores, pois a negociação durou horas a fio.

Tudo começou numa tarde sabática:

Em Piau tudo tranquilo e frugal, alguns galos afinados, gado pastando e aquele ritual da pipoquinha à tarde, que nos reúne a todos: mamãe, papai, Larissa e eu ao todo poderoso senhor de nossos amores: Valentim. Cercavam-nos três cachorros, Horus, Lira e Rodrigo, altivo, apesar da idade.
E foi assistindo à Netflix, neste recesso familiar que recebo um convite ao celular. Coisa fina: um jantar de inauguração de um restaurante em BH. Algo comum para mim, que, como jornalista, atuei também na área da gastronomia. Então chequei se o local existia, o endereço na Savassi. Tudo certo. Dei meu nome e telefone.

De celular em punho, percebo que minha conta do insta fora invadida. Os fdps do tal convite tavam me stalqueando e roubaram tudo: dez anos de conta, 12 mil fotos que contam um diário de vida, e meu ganha pão como canal de divulgação de notícias imediatas, que não dá tempo de transformar em matéria para a coluna do Portal Uai.

Desespero geral. Havia morrido pro mundo virtual? Teria que começar do zero?

Sou mesmo a Blima Camburão , como me chamavam na equipe de reportagem.

Larissa, do alto de sua calma eterna garante:

  • Vai recuperar. Todos os meus amigos passam por isso. Você não tem a verificação de duas etapas?
  • Não , Lá. Nunca pensei que fossem roubar alguém com um nome tão diferente. Mais alguém se chamaria Blima Bracher neste mundo?
  • Não se preocupe, ( Larissa convicta). Tenho um amigo do Instagram. Larissa tem um canivete suíço de amigos fiéis, todos prontos a ajudar nas mais infames tarefas e todos muito solícitos. Ela tem moral. Perto dela sou um náufrago com o Wilson na ilha deserta.

Foi uma noite inteira tentando os métodos normais de reaver minha conta. Mas os piratas modernos haviam conseguido meu nome, telefone, e-mail, endereço e tudo o mais. Era o fim. Meu insta, meu blog, materias no Google, uma vida de jornalismo migrada pro virtual que cairia como um castelo de cartas.

Pra piorar, o invasor me denunciava como hacker da minha própria conta e a situação inverteu. O insta me botou na berlinda e era eu a ladra da tal assinante Blima Bracher e seus 35 mil seguidores.

Dois dias e nada.

Papai muito triste ficou de plantão pra nos dar força.

Mamãe divulgando alertas em suas redes sociais e rezando pra São Cristóvão transportar bem as mensagens.

Eu recebendo zaps de amigos querendo comprar tudo que os bandidos vendiam em meu nome.

E o amigo de Larissa não avançava em nada. Repetimos umas 15 vezes as instruções do Insta e travava.

  • Larissa, de onde você conhece esse amigo do Instagram?
  • Não conheço, ele me curte há um mês, porque ajudou um amigo em comum a sair dessa mesma situação…

Ixi. E se ele for da quadrilha, pensei.. E sua função fosse stalkear familiares da vítima. O carinha se dispunha a ajudar e roubaria ainda mais dados meus

Minha pula atrás da orelha . Fizemos, eu e papai, um BO. Á tarde, liguei a portas fechadas pro tal amigo.

  • Olha aqui, camarada comigo não precisa ter meios termos? Eu perdi minha conta pra sempre, não é isso?
  • Não, vamos resolver, com certeza.
  • Mas imagine o pior cenário: o cara me tira do mundo virtual. Isso vai pra uma nuvem? Eu procuro a delegacia especializada em crimes de internet? Mando uma carta pro Instagram.?Viajo pros EUA.? Estou disposta às últimas consequências.
  • É uma possibilidade…
  • E qual é a sua nisso, você ganha para fazer esse trabalho?
  • Olha, vou te contar que já fui investigador virtual profissionalmente.
  • Então vamos juntar todos os dados e prints de tela e vamos à polícia.
  • Calma, me deixa tentar comprar a sua conta deles. Ai gelei.
  • Não seria melhor comprar uma panela air fryer de 400 reais.? Daí eles te passam o pix e a gente rastreria ele.
  • Boa, vou fazer isso.

Duas horas depois, Larissa me chama ao quartinho das negociações. O amigo dela havia negociado com os hackers e eles iriam me devolver a conta do Instagram.

  • Estamos com os bandidos do outro lado.

Entrei no papo:

  • E aí DR.

E daí desenvolveu-se um papo longo e tenso, a gente sem saber se o amigo era também membro da quadrilha. Pedidos de números de telefones aqui, senhas ali. Links suspeitos, cheios de armadilhas capazes de hackear a família inteira. Rangeres de dentes atrás da porta, choros no quartinho escuro, cantinhos de unhas comidos, olhares abandonados no espaço.

Microfones desligados e a sensação de todos sermos palhaços.

  • Mas investigador, como você negociou com os hackers.? -Calma que depois que tudo der certo eu conto. ( Isso o tornava mais suspeito de ser um membro da quadrilha).

Foi então que o pirata hackeador começou a obedecer as ordens e finalmente recuperamos o Insta naquela operação cirúrgica.

Depois de silêncios cadenceado, gritamos de euforia. Finalmente vimos a cara do investigador e pudemos agradecer a ele: Rui, o salvador.

  • Eu me fiz passar por um deles, explicou : -Pai, a casa caiu, deu ruim, dá seus corre em outra conta, que essa é da doutora. A mulher é perigosa. Vai derrubar todo mundo.

Nossa, pensamos, que negociador esperto. Usou os mesmos termos do bandido e enganou o hacker com perfis fakes e o caralho a quatro.

Tudo resolvido.

Mas a pulga investigativa ficou pulando na minha orelha: e se Rui era da quadrilha e quis nos ajudar por que viu mesmo que tava mexendo com a pessoa errada.. Um nome manjado. Ou alguém aí mais se chama Blima Bracher. Desconheço.

PS: O tal Rui tem dois e-mails. O dele com a foto real e outro, com a mesma foto , porém com o nome rexmonstro. E esse mesmo e-mail, o rexmonstro, me apareceu durante as negociações com a foto de uma faca na caveira.

Blima Bracher

Blima Bracher é jornalista, formada pela UFMG e Engenheira Civil. Trabalhou dez anos em TV como repórter e aprsentadora na Globo e Band Minas. Foi Edutora da Revista Encontro e Encontro Gastrô. Escritora, cineasta e cronista premiada.

Posts Recentes

“Cego é quem tem medo de ousar” disse Bracher

A energia de Vracher fluiu nas pinceladas junto a 80 alunos cegos e surdos da…

18 de maio de 2022

Emiliana Marquetti no O Passo Pizza Jazz

Foto reprodução

13 de maio de 2022

PMOP e UFOP: juntas pela defesa do consumidor

Fotos e informações Ascom

12 de maio de 2022

Cachoeira do Campo ganha sede da Aceop

Foto Ascom

12 de maio de 2022

Thank you for trying AMP!

We have no ad to show to you!