Blima Bracher

Ouro Preto: ações de turismo e cultura pós pandemia

Ouro Preto tem planos culturais pós coronavírus

Ouro Preto se prepara para uma rápida reativação de sua agenda de ações culturais assim que for anunciado o fim da pandemia do Covid-19.

A cidade quer celebrar os 250 anos da Casa da Ópera, o mais antigo teatro em funcionamento das Américas, e o tricentenário da sedição de Vila Rica.

Uma parceria já acertada com a Funarte, a Fundação Nacional de Artes, prevê ainda, para o segundo semestre, uma ampla programação comemorativa dos 40 anos do título de Patrimônio Mundial concedido a Ouro Preto pela Unesco, em 1980.

Além de anunciar todos esses planos, o secretário de Patrimônio e Cultura de Ouro Preto, Zaqueu Astoni, informou que foi recentemente procurado pelo presidente interino do IPHAN, Robson Almeida. “Ele comunicou a liberação de recursos para a segunda etapa das obras de restauro da Matriz de Santo Antônio, no distrito de Glaura ”, informou o secretário.

Zaqueu afirma que também que : “Estamos empenhados também em providenciar alterações no segundo edital do Fundo Municipal de Cultura, que terá, neste segundo semestre, o dobro do valor que era investido anteriormente”. Segundo ele, serão R$200 mil reais a serem direcionados aos projetos dos artistas locais.”

Zaqueu antecipou que está em contato com a criadora e diretora geral do ‘Tudo é Jazz’, Maria Alice Martins, a Biiça, para que Ouro Preto possa novamente sediar este Festival.

Planeja-se ainda o retorno do projeto ‘De Conversa em Conversa’, com músicos de projeção nacional, patrocinado pela Cemig.

Com tudo isso, preparada para se reerguer após esse longo e difícil período de quarentena, Ouro Preto espera não apenas retornar à normalidade, mas se afirmar novamente, no cenário nacional, como polo irradiador de Cultura e Arte.

Foto: Praça Tiradentes. Ane Souz

Superintendência de Atos, Chancelaria e MemóriaDepartamento de Comunicação(31) 3559-3286

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.