Blima Bracher

Máscaras e lenços: proteção e estilo contra o Covid-19

Crianças podem se divertir com máscaras coloridas

Usar máscara nos tempos de pandemia do novo coronavírus não é só uma questão de proteção para si, mas uma etiqueta em respeito às demais pessoas.

Já que o uso das máscaras se tornou uma das principais indicações das autoridades de saúde para a proteção contra o Covid-19, apesar de não substituir o isolamento e a quarentena, pelo menos quando há necessidade de sair, podemos optar pela criatividade.

É importante ter consciência de que ficar em casa ainda é a melhor opção. Home office, quarentena, isolamento e evitar aglomeração. Pois a máscara não é 100% eficaz.

Ela deve ser trocada de 2 em 2 horas. Se for descartável vai pro lixo, mas se for de tecido ou neoprene pode ser lavada e reutilizada. O ideal é ter umas cinco para que se possa fazer a higienização correta. Mesmo com a máscara, é necessário manter a distância de 1,5m das pessoas nas ruas.

O uso adequado é fundamental: ela deve cobrir nariz e boca e o elástico não deve incomodar, mas a máscara deve estar bem ajustada e firme.

Já que é necessário, que tal optar pela criatividade na hora de escolher?

  • A branca é a mais básica e vai bem em qualquer ocasião. Não tenha dúvidas: é higiênica e muito bacana.
  • A preta de neoprene é lavável e vai bem em qualquer ocasião.
  • Crianças podem gostar de máscaras divertidas e coloridas
  • Lenços podem surpreender, sendo uma charmosa opção
  • Para levantar o astral, elas podem optar por estampas
  • Cores alegres e sem estampa são muito charmosas. o neoprene é confortável e seca rápido
  • Bandanas podem trazer estilo para eles e para elas que gostam de um estilo mais descolado
  • Na internet é possível comprar modelos diferentes e ousados
  • As mais fashions podem optar por brilhos
  • E tem até aqueles que gostam de ostentar, o que , nestes tempos é algo muito sem noção. Imaginem pagar mais de R$ 8.000,00 para ostentar uma marca. Não aprovo
  • Melhor usar a imaginação, não é mesmo?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários