Blima Bracher

Bracher traz Tiradentes para o “Balanço da Cobra”

No ano em que o bloco mais irreverente de Ouro Preto completa 45 anos de história e resistência pelas ladeiras de Ouro Preto, a camisa comemorativa é assinada pelo artista plástico Carlos Bracher, a convite da criadora do bloco, Cida Zurlo. O lançamento será nesta sexta-feira, dia 31 de janeiro, na Cachaçaria Milagre de Minas, à Praça Tiradentes, em Ouro Preto

No ano em que o bloco mais irreverente de Ouro Preto completa 45 anos de história e resistência pelas ladeiras da cidade histórica, a camisa comemorativa é assinada pelo artista plástico Carlos Bracher, a convite da criadora do bloco, Cida Zurlo. O lançamento será nesta sexta-feira, dia 31 de janeiro, na Cachaçaria Milagre de Minas, à Praça Tiradentes 130, em Ouro Preto, a partir das 19h. Tel (31) 3551-5531.

A criadora do bloco, disputado por gente do Brasil inteiro é a farmacêutica, botânica e empresária, Cida Zurlo, proprietária da Cachaçaria Milagre de Minas. “Todos os anos convidamos um artista para desenhar a camiseta, já tivemos José Alberto Nemer, Ronaldo Fraga, Gustavo Penna, Jorge dos Anjos, Amílcar de Catro, Gélcio Fortes, Guilherme Mansur, entre outros nomes”, destaca a carnavalesca

Este ano, o convidado para comemorar os 45 anos de bloco é o artista plástico Carlos Bracher, que fez o seguinte texto sobre seu desenho:

Tiradentes e o Carnaval, por Carlos Bracher

Na medida que carnaval é festa e alegria, no presente trabalho sobre “O Balanço da Cobra” coloco uma cobra propondo ao herói Tiradentes que ele entre na folia. Ela sobe o pedestal e defronte ao Mártir, sorrindo, lhe faz o surreal convite. E num enigmático diálogo de corações, ele aceita a proposta sedutora. Tiradentes, apesar de toda austeridade histórica, e diante do surpreendente ato de cumplicidade, destitui-se de seu vulto heroico e se integra à grande festa popular.

Quanto à sua célebre frase “Se dez vidas eu tivesse, dez vidas eu daria”, aqui ela transforma-se em divertida paródia: “Se dez vidas eu tivesse, dez carnavais eu brincaria…”. Utilizei curvas e contracurvas, na cobra e nas letras, criando um sentido de movimento, do percurso do Bloco serpenteando-se pelas ruas, pontes e becos da cidade. E onde a própria grafia da frase/título revela o caminhamento da cobra, em zigue-zague, suspensa pelos ares.No desenho tentei expressar, de um lado, o triste capítulo da condenação de nosso grande herói e, do outro, o festivo e famoso Carnaval de Ouro Preto e os 45 anos de alegria do Balanço da Cobra.

A camisa também será feita na versão serigrafia para quem quiser eternizar esta bela homenagem!!!

Cida Zurlo, Maria Sônia e Bracher com a camisa comemorativa
Um dos estudo para a camiseta que será lançada, nesta sexta, dia 31 de janeiro
Protótipo para serigrafia com o desenho de Carlos Bracher
Maria Sônia Madureira de Pinho, Cida Zurlo , Carlos Bracher e Ângelo Oswaldo

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.