Blima Bracher

Brasil tem 30% de aumento no turismo histórico, rural e de aventura e Ouro Preto é o principal destino da Estrada Real, com seu “Natal de Luz”

Nos últimos anos, o Brasil registra um movimento contrário ao de procura pelo litoral no final de ano. Muitas pessoas estão preferindo as montanhas, com suas cachoeiras e trilhas ecológicas. Com o título de Patrimônio Nacional, a Estrada Real vem atraindo a atenção dos turistas, a fim de descobrir novos e belos destinos para as festas de fim de ano. De acordo com o site brasilturis.com.br, a procura por turismo rural, histórico, de aventura e com natureza abundante teve aumento de 30% nos últimos 5 anos. “O litoral fica muito cheio, o atendimento é ruim e os serviços caros”, justifica Adriana Ramalho, de Goiás. Ela e o namorado conheceram Ouro Preto em julho e já estão com a volta marcada para o Natal de Luz na cidade. Nesta época do ano, o local se transforma num grande presépio, com seu casario colonial e igrejas barrocas.

Segundo o Secretário da casa civil, Zaqueu Astoni, este ano a festa será ainda mais bonita: “Teremos a participação de grupos de música, floclore e dança locais. Queremos envolver toda a população e proporcionar um grande espetáculo para os turistas. Teremos luzes nos monumentos históricos, nas igrejas e na Praça Tiradentes. A programação de shows será intensa. Sem contar com a gastronomia mineira, que é uma riqueza a parte”.

Ouro Preto é um tesouro na Estrada Real. A cidade pulsa história, arte, cultura, ecologia, festas e boa gastronomia. Coloque o berço da Inconfidência Mineira, no seu roteiro de viagens.

A cidade tem 22 igrejas e capelas, talhadas na opulência do ciclo do ouro e sob a influência barroca. Entre elas merecem destaque a belíssima Igreja do Carmo, localizada bem no centro da cidade, de onde é possível vislumbrar linda vista local; a Basílica do Pilar, a segunda mais rica em ouro do país; a de São Francisco de Assis, considerada obra-prima do barroco, com pinturas de Mestre Ataíde e entalhe e esculturas de Aleijadinho; além das igrejas do Rosário; Matriz de Nossa Senhora da Conceição ( recém aberta à visitação) ; Igreja de São Francisco de Paula; Igreja de Nossa Senhora das Mercês e Perdões; Igreja de São José; Bom Jesus do Matosinhos ou São Miguel e Almas; e Igreja de Santa Efigênia, erguida, segundo relatos históricos, por povos africanos escravizados e convertidos, no chamado Alto da Cruz.

A história é guardada e recontada nos museus da cidade. O da Inconfidência, que abrigou a antiga Casa de Câmara e a cadeia, reúne acervo da Inconfidência Mineira e o mausoléu dos inconfidentes. A Casa dos Contos era a antiga casa da moeda, onde eram cunhadas a moedas de ouro. O antigo Palácio dos Governadores, localizado na Praça Tiradentes, hoje abriga a tradicional Escola de Minas e seus museus de mineralogia e história natural. Também devem ser visitados os museus Casa Guignard, com obras do lendário pintor; o Museu do Aleijadinho, com acervo sacro do mestre do barroco; o Museu do Oratório, que é o único do gênero no mundo; além dos museus do Pilar, da Escola de Farmácia e o belíssimo Museu Boulieu.

Mas, nem só de história vive Ouro Preto: a cidade guarda importante parque ecológico no entorno, com nascentes, rios, picos e trilhas que são convite às aventuras. Atrativos são o Parque Estadual do Itacolomi e o Parque Municipal da Cachoeira das Andorinhas, onde fica a lendária cachoeira Véu da Noiva, logo ali, no distrito de Antônio Pereira.

Aliás os distritos são outra joia da região de Ouro Preto. São 12: Amarantina, Lavras Novas, Santa Rita, São Bartolomeu, entre outros, cada um guardando sua magia peculiar e tradições arraigadas no DNA de seu simpático povo. O calendário de eventos revive comemorações seculares tanto nos distritos como em Ouro Preto. São famosos o Dia de Reis, nos arredores; a Festa do Reinado de Chico Rei; o Carnaval; a festa da goiaba em São Bartolomeu; a Semana Santa; o feriado de Tiradentes; a coroação do mês de Maria; as festas juninas nos distritos; o festival Ouropretano de Bandas; as Cavalhadas em São Gonçalo e Amarantina; e agora, O Natal de Luz, entre outras maravilhas que resgatam o folclore e a cultura locais.

O que não faltam são boas opções de restaurantes como o O Passo Pizza Jazz; Bené da Flauta; Chafariz; Casa do Ouvidor; Casa dos Contos; Cantina Tropea; Restaurante do Grande Hotel; Olga Nur, no Solar do Rosário; Bar da Cervejaria artesanal Ouropretana, Café e cia, Garapinha, entre outros, onde os sabores mineiros cabem em diferentes bolsos. As cachaças locais são apreciadas por sua produção artesanal. Versões da bebida com ervas são a especialidade da empresária do ramo, Cida Zurlo.

A cidade, localizada no quadrilátero ferrífero, é famosa por suas pedras preciosas e gemas minerais, oferecendo boas opções de presentes em joias e bijuterias. É a única região do mundo que atualmente produz o topázio imperial, belíssima gema de coloração avermelhada. As estátuas, panelas e objetos em pedra sabão também são a cara da cidade e movimentam a economia local. Foto em destaque de Ane Souz. Demais: divulgação.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments