Blima Bracher

“Antigo Casarão das Lajes”, vira “Palácio D’Ouro “

Reinauguração do ” Antigo Casarão das Lajes”, por onde passaram grandes artistas nos anos 60, como Guignard, Elizabeth Bishop, Carlos Scliar Ivan Marquetti, Carlos e Nívea Bracher. Esses artistas ali se hospedaram graciosamente pela benécie da grande Lili Correia de Araújo , então proprietária do Casarão. Ali se formou uma geração de talentos ouropretanos que estão entre os maiores do mundo, como Guignard. Lili muda-se para o Pouso do Chico Rey, onde passou a hospedar renomados intelectuais do mundo inteiro, como Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Vinícius de Moraes, Pablo Neruda e Jorge Amado, entre outros grandes. Todo o renascimento de Ouro Preto, o “modus vivendis” atual foi criado por essa Dama da Cultura, nascida na Dinamarca, mas ouropretana de corpo e alma. Reduto também de Elizabeth Bishop, em torno de Lili, formou-se uma importante comunidade de mulheres intelectuais do Brasil. Pedro Gaspar Correia de Araújo herdou o Casarão e o Hotel das Lajes, tendo-os vendido. Luiz Knud, o filho mais novo do casal Lili e Pedro Luiz Correia de Araújo (dos maiores pintores do Brasil, famoso por seus Eróticos), herdou o @pousodochicorey, atualmente pertencente ao neto de Lili e filho de Luiz Knud, Ricardo Correia de Araújo. A casa foi reformada e restaurada pelo empresário Edson Toledo e família, ganhando agora a alcunha de “Palácio D’Ouro”. Inicialmente pertencente ao Barão de Saramenha ( precursor da cerâmica vitrificada na região), o eterno “Casarão das Lajes ” habita a memória de Ouro Preto, não só do século XVlll, mas dos efervescentes anos 60 e 70 no século XX, cuja revolução cultural foi capitaneada por Lili Correia de Araújo e seus amigos artistas. Na foto, o pintor Carlos Bracher, que veio para Ouro Preto em 1964 com sua irmã Nivea e tiveram no Casarão sua primeira morada e primeiro ateliê na cidade. Com Fani Bracher, Décio Luiz Vieira Magalhães, Marcinho Penna, Blima Bracher e Ricardo Correia de Araújo.             ” Meu primeiro ateliê e morada em Ouro Preto “, Carlos Bracher, 1964, no “Casarão  das Lajes” , a convite de Lili Correia de Araújo.         Assista o filme “A mulher do desejo” com cenografia de Lili Correia de Araújo https://youtu.be/Phs081ZfH04

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
JOSÉ EDUARDO DE OLIVEIRA

As histórias e os misteriosos casarões de Villa Rica. Os seres humanos que habitavam e ainda habitam esse burgo. Sem contar os anjos, os fantasmas e as musas. Muita magia nessa vila colonial, muita inspiração dessa cidade envolta em corrubiana e sonhos…reais e irreais…Ouro Preto sempre.